Trabalhou quase oito anos no Grupo Gazeta Mercantil, passou pelo Valor, DCI e revistas

quarta-feira, 6 de dezembro de 2017

BNDES Giro: CAIXA registra aumento de 230% na contratação

Por Agência Caixa de Notícias 


Crescimento acompanha sinais de melhora na economia. Desde o final de agosto, linha passou a ter um processo de aprovação e liberação de recursos junto ao BNDES totalmente on-line


O boletim Focus, do Banco Central, divulgado nessa segunda-feira (4), ampliou a expectativa de crescimento do PIB brasileiro para 0,89% em 2017. O movimento acompanha os sinais de melhora na economia, que já se refletem no apetite por crédito das empresas. Apenas a linha BNDES Giro, antiga Progeren, teve aumento de 230% na contratação desde agosto.
“No mercado de crédito, os primeiros reflexos da retomada econômica são sentidos na busca por capital de giro”, explica Vicente Reckziegel, superintendente nacional de Negócios com Médias Empresas da CAIXA. “Com o aumento nas vendas, o empresário precisa de recursos para reforçar a sua produção.”
Esse movimento coincidiu com a remodelagem da BNDES Giro. Desde o final de agosto, a linha de capital de giro passou a ter um processo totalmente on-line. “É possível dar uma resposta em questão de segundos no processo de aprovação e liberação de recurso junto ao BNDES. Melhorou muito a experiência do cliente”, diz Reckziegel.
Na linha BNDES Giro, os juros são de, no máximo, 10,5% a.a e o prazo de pagamento pode chegar a cinco anos, com até seis meses de carência. “Não há destinação específica. Os recursos podem ser utilizados de acordo com a necessidade da empresa”, explica Reckziegel. A contratação pode ser feita em qualquer agência da CAIXA.
Mais informações aqui.

Para reduzir a burocracia na ciência

Portal Nossa Ciência 

Confies e CGU assinam termo de entendimento para tornar mais ágil o controle das Fundações de Apoio às instituições de pesquisa

Nada menos do que 35% da força de trabalho dos cientistas brasileiros se perde por causa da burocracia. Para tentar diminuir o problema, dando maior eficiência na gestão dos projetos de ensino, pesquisa, extensão, desenvolvimento institucional e de inovação, o Conselho Nacional das Fundações de Apoio às Instituições de Ensino Superior e de Pesquisa Científica e Tecnológica (Confies) e a Controladoria Geral da União (CGU) assinaram um termo de entendimento, sobre 15 pontos sensíveis da legislação. A assinatura foi feita durante o 35º Encontro Nacional do Confies, realizado em Maceió no período de 29 a 01 de dezembro.
Mais informações aqui

Pagamento do 13º salário impulsiona captação da Poupança da CAIXA

Agência Caixa de Notícias 

Os dois últimos meses do ano costumam ser os de maior captação líquida positiva – apenas em novembro, esse valor foi de R$ 1,1 bilhão


O 13º salário de Fabrícia Matias dos Santos já tem destino certo. “Vou colocar tudo na poupança”, afirma a operadora de telemarketing de 21 anos. A conta na CAIXA foi aberta no ano passado, para um objetivo de longo prazo. “Estou poupando para comprar a minha casa. Não consigo guardar parte da renda todo mês, por isso, aproveitei a oportunidade”, diz Fabrícia, que mora com o filho, de três anos, em uma casa cedida pelos pais, no Recanto das Emas, região administrativa do Distrito Federal. 
Os dois últimos meses do ano costumam ser os de maior captação líquida positiva da Poupança da CAIXA – apenas em novembro, esse valor foi de R$ 1,1 bilhão. O motivo é justamente o pagamento do 13º salário. Segundo o Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos (DIEESE), cerca de 83,3 milhões de brasileiros serão beneficiados com essa renda extra, que deve injetar R$ 200,5 bilhões na economia.
“Para quem ainda não poupa, esta é uma oportunidade para começar a pensar em conquistas de curto, médio e longo prazo”, diz Humberto Magalhães, diretor executivo de Produtos de Varejo da CAIXA. “Pode ser a viagem das próximas férias, um carro novo ou mesmo a compra da casa própria”, exemplifica. Para quem já tem uma poupança, a dica é aproveitar o 13º salário para fazer um aporte maior. “Mesmo quem já tem outras aplicações pode aproveitar o bom momento da poupança para diversificar seus investimentos”, reforça Magalhães.    Mais informações clique aqui